Notícias | Vaticano
Card. Coccopalmerio explica o capítulo 8 da 'Amoris Laetitia' - 16/02/2017 - 14:55

Cidade do Vaticano (RV) – Apresentado na manhã de terça-feira na Rádio Vaticano o livro “O capítulo 8 da Exortação Apostólica pós-Sinodal Amoris Laetitia”, escrito pelo Cardeal Francesco Coccopalmerio, Presidente do Pontifício Conselho para os Textos Legislativos.

O Capítulo 8, dedicado às uniões irregulares, é o que desperta maior interesse e também questionamentos. A pergunta crucial é se uma pastoral mais atenta à cada indivíduo em particular - marcada pelo “acompanhar, discernir e integrar” a fragilidade - está em contraste com a Doutrina tradicional da Igreja. Eis o que disse a este respeito o vaticanista Orazio La Rocca, convidado para a apresentação do volume:

“As dúvidas levantadas, criaram em mim alguns questionamentos. Entre estes, o de que a doutrina é ferida. Pelo contrário não: o Cardeal com este texto, explica com uma didática muito perspicaz, que a doutrina não é afetada, é preservada. No entanto, as pessoas feridas são filhas da Igreja que se abre como uma mãe”.

Existem sérias condições para o eventual acesso aos Sacramentos dos divorciados recasados, explica Dom Grochi, Professor de Cristologia da Urbaniana e consultor da Congregação para a Doutrina da Fé, ao ilustrar como o Cardeal Coccopalmerio ajuda a compreender o que o Papa escreve na “Amoris Laetitia”:

“As coisas a mais que diz o Cardeal encontram-se nas páginas 27 e 29 do livro. São exatamente: “...a Igreja, portanto, poderia admitir à Penitência e à Eucaristia os fieis que se encontram em união não legítima, desde que observem duas condições essenciais: desejem mudar situação, porém não podem concretizar o seu desejo”. E a página 29: “...é exatamente tal propósito o elemento teológico que permite a absolvição e o acesso à Eucaristia, sempre repetimos, na presença da impossibilidade de mudar logo a condição de pecado”. Estas são as expressões com as quais o Cardeal dá um passo interpretativo na linha da Exortação”.

RV: O que significa isto? Que um casal que se encontra em uma segunda união deve ter consciência de não estar em uma situação regular e desejar mudar?

“Mudar aqui é entendido como o desejo de conversão. Não se especifica se isto significa voltar à situação precedente, quem sabe cometendo uma nova culpa, isto o diz o Cardeal; não se especifica se isto quer dizer procurar abster-se das relações conjugais como indicado pela “Familiaris consortio”, no n. 84. Fala-se de conversão. E portanto, o propósito de estar mais conformes a Cristo torna legítimo, porque é o propósito, o acesso à graça santificante dos sacramentos. Isto não contradiz a doutrina da indissolubilidade, porque se sabe não estar conforme o Evangelho, e não contradiz a doutrina do arrependimento, como tão pouco a doutrina da graça santificante. Estas são as expressões do Cardeal”.

RV: O título do Capítulo 8 da Amoris Laetitia é “Acompanhar, discernir e integrar a fragilidade”. O senhor disse que isto poderia ser um modelo cultural também para a sociedade...

“Exatamente, também para a política. O que significa para uma sociedade civil, social, política, assumir situações de maior fragilidade? Penso nos imigrantes, nos pobres, nos que têm necessidades especiais, nas pessoas socialmente excluídas... esta é a missão de cada sociedade, da política, da Igreja. Pensemos o que significa isto para a economia, para as relações internacionais, etc”.

RV: Voltando à Igreja, aparece a imagem da Igreja como “hospital de campanha”, que porém não é uma alternativa à segurança da doutrina tradicional...

“Não, porque a Igreja sempre foi refúgio dos pecadores. “Não vim para julgar, mas para dar a vida”. É necessário entender se Jesus é considerado absolutamente o centro, e a sua morte e ressurreição são o centro da doutrina - em torno da qual os aspectos doutrinais se colocam segundo uma hierarquia de verdade - ou se colocamos no centro algum aspecto, que pelo contrário, está na periferia. O Papa coloca em evidência muitas vezes, a importância das periferias quando se trata de situações de marginalidade. Portanto, convida à uma descentralização. Mas é interessante que às vezes este discurso vale também para o contrário: existem certas periferias doutrinais que tornam-se centrais, esquecendo que o centro é Cristo”.

 

Fonte: Rádio Vaticano

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

Receba nossa newsletter

 

     

Articulistas         Catolicanet
Diálogo com os filhos
Ao redor do mundo, jovens encontram diariamente barreiras a...
Dom Orani João Tempesta 27.04.2017
Panorama político brasileiro
Quem percorre a história do Brasil percebe como através...
Côn. José Geraldo Vidigal 26.04.2017
Jesus e os discípulos de Emaús
Primorosa, sem dúvida, a narrativa do encontro de Jesus...
Côn. José Geraldo Vidigal 25.04.2017
Cursos
Buscar Cursos
 
 
Catequese Inclusiva
O Curso on line de catequese Inclusiva, tem como objetivo incentivar os ...

R$65.00


Curso para Catequista
*Cá entre nós* é um convite, um chamado para bater um papo amigo. É a ...

R$68.00


- Curso Bíblico Nível I
- Curso de Comunicação
+ Ver todos os cursos
 

Banner

Catolicanet - Tel: 55 (0xx) 11 5660-6800
Atendimento disponível das 08:00 às 12:00 e das 13:00 às 17:00hs,
exceto Sábados, Domingos e Feriados.

Sobre a Catolicanet Imprensa Contato Política de Privacidade

2017 - Todos os direitos reservados - www.catolicanet.com.br Desenvolvido por: Grupo O.F.